Clientes certos pagam pelo produto, mas compram a causa

Por 4 de Maio de 2017Blog

Esse vídeo é um anúncio feito por uma empresa que vende artigos esportivos (quase ninguém conhece não é?). Mas em nenhum momento eles falam do solado, das cores, do amortecimento. Não falam do tecido, dos cadarços, do formato.

Falar do produto é o que chamamos de vender “átomos”. É vender algo físico, algo lógico, explicando do que é feito.

“É o que 80% do mercado faz…
pois qualquer um pode falar do que se vê.”

Mas dá pra ser melhor. Muito melhor.

As maiores marcas do mundo descobriram que é muito, muito melhor vender para o lado emocional do cérebro. É vender algo intangível, mas que corresponde por 90% das decisões que nosso inconsciente toma por nós, todo santo dia.

É vender “batidas do coração”. Seu marketing faz o coração das pessoas bater mais rápido? Respirarem mais fundo? Pensar de um jeito novo?

Vamos relembrar alguns exemplos:

A campanha “Beleza Real” da Dove.

Ou “Se Sujar Faz Bem”, da OMO.

“Just do it”, da Nike.

Essas empresas vendem produtos? Não!Elas aprenderam a não falar dos átomos.

Elas falam da causa, da missão, do propósito de existir. Aquele inimigo que precisa ser combatido. E se você não gosta desse inimigo, junte-se a nós. Você não esta sozinho, existimos para ajudar você.

Por isso essas empresas se tornam verdadeiras marcas. Pois “marcam” a pessoa que os ouve falar.

Qual o propósito da sua empresa? Como ela torna o mundo um lugar melhor? Qual a sua causa?

Explique, e talvez seu cliente vá entender.

Faça-o sentir, e nunca mais ele vai esquecer!

Fonte: Pedro Superti

Deixe um comentário